Viva a variação!

Por: Cristina Vergnano Junger

Talvez, nunca como hoje em dia, se fale no outro, no diferente, na diversidade, no novo insistente e enfaticamente. E todos esses tópicos parecem revestir-se de grande apelo positivo. Mas, por ironia, o ser humano não costuma lidar muito bem com esses mesmos aspectos, nem com a mudança. Eu diria que somos, em essência, conservadores.

Há vários pontos de vista para abordar o tema da variação e da diversidade. Mas, ao contrário do que se possa esperar, dado o apelo político e ideológico que tais temáticas costumam suscitar, escolho começar por tratar de algo, possivelmente, inusitado neste artigo.

Ao sair da aula de natação na última sexta-feira, expunha à professora a série de exercícios que tinha realizado, apesar de haver escolhido uma aula livre. Ela assentiu, mas me sugeriu uma abordagem diferenciada para os próximos treinos. Ao invés de ir aumentando a relação número de braçadas/intervalo para respiração a cada bloco de 100 metros de nado crawl (o nado livre), sem variação, propôs-me que eu fizesse diferente. Que escolhesse uma proporção, por exemplo, uma respiração a cada 5 braçadas, e a mantivesse igual sempre nos primeiros 50 metros. Já a gradação (7, 9, 11 etc) iria ocorrendo nos 50m seguintes, repetindo a fórmula a cada 100 metros, até completar meus 1000 metros de meta. Ou seja, manteria um padrão fixo na primeira volta na piscina e, na segunda, iria aumentando o número das braçadas sem respirar, sucessivamente.

Vocês me perguntarão o que isso tem a ver com diversidade… Aí está! Ela completou a orientação com o seguinte argumento: que nós, seres humanos, tanto física quanto mentalmente, nos habituamos com certos padrões conhecidos e frequentemente praticados. Ao fazê-lo, deixamos de avançar, de evoluir, de progredir em nosso condicionamento físico ou crescimento mental e intelectual. Sem o estímulo diferente nos acomodamos e não nos transformamos, nem aprendemos a nos adaptar a novas situações.

O curioso é que outro professor de natação, tempos atrás, havia feito um comentário em direção parecida, afirmando que nós, seres humanos, somos eminentemente preguiçosos e sedentários. Gostamos de comodismo. Se for possível, não saímos de nossa zona de conforto.

Interessante, não é?!? Fico pensando que, de fato, nosso corpo se ajusta eficientemente aos padrões que lhe impomos. Só quando o submetemos a um estresse, se desacomoda e busca formas de ajustar-se novamente. (Cuidado! Não estou propondo que estresse em excesso é um santo remédio, ok?! Tudo com moderação é bem melhor!!!)

Faço até bastante atividade física. Considero-me, no entanto, uma pessoa sedentária por natureza. Se tiver um tempo livre e me derem a escolher, creio que, na maioria das vezes, optarei por ler um livro, assistir um filme ou série, sentar-me para conversar com alguém, ou qualquer outra atividade do gênero. Sei que, se eu não me movimentar, o tempo que oprime meu corpo fará doer juntas, ossos, músculos de forma certeira e limitante. Por isso, supero minha própria constituição e teimo em caminhar, nadar, fazer Pilates, essas coisas…

Mas não é apenas o aspecto físico que demanda mobilidade e variação. A mente e o espírito também ressecam e murcham sem desafios. Por isso se alardeia tanto, em tempos de maior longevidade humana, a necessidade de fazer cursos, encontrar atividades de lazer novas, aprender a dançar, tocar instrumentos, idiomas estrangeiros, trabalhos manuais etc. O fator inovador e inesperado nos põe em alerta, acorda nosso cérebro, propõe-lhe problemas a serem solucionados, estimulando, assim, a criação de novas sinapses, mantendo-nos ativos.

Podemos, então, transferir essa questão, finalmente, ao convívio social, ao trato com a diversidade cultural e étnica. Aliás, é um aspecto que merece de novo nossa atenção cuidadosa. Além de toda a aproximação que o meio virtual favorece (bem entendido, não necessariamente uma aproximação plena, mas, ao menos, aquela que rompe barreiras geográficas e linguísticas), estamos vivenciando novas ondas de migração no planeta. Infelizmente, tais movimentos migratórios fomentam-se pelas guerras, perseguições e carências de vários tipos. No entanto, seja como for, estão aí e põem em contato inevitável pessoas tão diferentes quanto se possa imaginar.

O ser humano, nesse contexto, mostra, com frequência, sua cara mais avessa à mudança e à variação, com uma preguiça emocional, um sedentarismo étnico e ideológico. É a pessoa que teme o diferente, que estranha a feição do outro, e que, como já dizia Caetano, é como Narciso, que “acha feio o que não é espelho”.

Como podemos querer ser cidadãos do universo (parafraseando o personagem Perry Rhodan, de uma série de livros de ficção científica alemã que existe já desde 1961), abertos ao sonho da conquista espacial, se não conseguimos nem lidar com quem está ao nosso lado e compartilha muito do que somos e temos? Como podemos almejar um mundo são, sem doenças traiçoeiras, sem guerras, sem fome, equilibrado ecologicamente, se não conseguimos entender que todos somos filhos da mesma mãe Terra? Se não podemos ver no outro um irmão, um parceiro, um co-construtor do presente e do futuro, como podemos esperar que os pesadelos da guerra fria, do holocausto nuclear, da desigualdade social se extingam?

Não é fácil abraçar a diversidade. Ela nos causa estranheza da mesma forma que a proposição de novas atividades cognitivas e artísticas, ou que a mudança de programas de exercícios físicos. Somos acomodados, sedentários, preguiçosos; de corpo, mente e alma. Mas precisamos reagir e provocar o confronto com o diferente, um confronto positivo, criador, respeitoso construtivo. Se tudo fosse exatamente igual, seria a sentença do imobilismo. Não iríamos mais a lugar nenhum e estaríamos fadados ao extermínio.

Por isso, de mentes e corações abertos, abracemos a beleza da diversidade e construamos juntos um mundo em constante e positivo avanço. Viva a variação!

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *