É de pequeno que se começa… Literatura se faz experimentando!

Por: Cristina Vergnano

Quando criei o Tecendo o verbo, o fiz, em primeiro lugar, porque sempre gostei muito de escrever. Por causa do meu longo trabalho no magistério e na academia (dos 35 anos de magistério, passei os últimos 25 como professora e pesquisadora universitária) tinha deixado esse prazer de lado, substituindo-o pelos artigos científicos. Com a aposentadoria, vi surgir a oportunidade de reatar essa paixão antiga…

Não foi, porém, só isso que me passou pela cabeça. Também pensei na possibilidade de fazer e oferecer literatura num formato e num suporte compatíveis com as atuais práticas digitais. Arrogância minha?!? Não sei… Vocês julgarão! Mas que fique claro que eu nunca tive a pretensão de me considerar uma grande escritora, que vai brindar os leitores com uma literatura de qualidade inquestionável, utilizando o meio virtual para difundir a “boa leitura”. Acho que a internet abriu as portas para que autores e autoras que estão fora do circuito reconhecido das editoras, ou seja, os não profissionais ou iniciantes, pudessem expressar-se e compartilhar suas criações. E, nesse bojo de novatos e desconhecidos (entre os quais me incluo), muita coisa legal pode surgir. Além do mais, embora a maioria das pessoas não esteja tão consciente disso, grande parte das práticas que exercemos mediadas por computadores, tablets, smartphones, enfim, por toda a parafernália digital que hoje possuímos, envolve leitura.

Leitura não é uma atividade homogênea. Lemos por diferentes motivos, diversos materiais, em momentos igualmente variados. Lógico que essas leituras todas não poderiam ser iguais. Isso significa que não exigem de nós os mesmos graus de interesse, atenção, cuidado, conhecimentos. Não é o mesmo ler um documento jurídico para resolver uma demanda, ou um menu no restaurante, uma postagem numa rede social, um jornal, um recado no WhatsApp, nem um capítulo de livro para uma prova, a letra de nossa canção preferida, a receita de um bolo etc, etc, etc… A profundidade com que abordamos os textos, o comportamento que praticamos diante do material lido, nosso foco e atenção, nossa resposta mudam em cada situação, em cada gênero diferente (receita, poesia, conto, notícia, post, artigo científico e por aí vai), de acordo com cada meta que temos ao ler. Apesar disso, durante minha vida acadêmica e de professora, ouvi e vi muitas ideias preconceituosas sobre a leitura. Uma delas parece considerar que leitura é só aquela feita dos livros, de preferência literários ou científicos. A questão, contudo, é que as outras formas e os outros objetos de leitura também envolvem o ato de ler e requerem graus diferenciados de conhecimento, habilidades e engajamento dos leitores.

Acredito firmemente nisso. Creio, porém, que, mesmo com tamanha diversidade de atividades leitoras, é um triste fato que muita gente não consegue ler adequadamente. E isso, não porque só leia textos menores e menos importantes, mas porque não consegue alcançar seus objetivos por meio da leitura. Daí meu desejo de mostrar que se lê, sim, em meios digitais. E essa atividade pode relacionar-se à literatura! Ou seja, o literário não está limitado aos livros de papel, ou aos e-books com formato quase idêntico ao que se encontraria numa publicação impressa. Novos suportes trazem possibilidades inovadoras (sem enterrar no mundo do esquecimento as antigas, naturalmente!).

…E escritores de ficção sempre souberam aproveitar as novidades. Logo, valia a pena tentar. E não estou sozinha! Há muita gente, já consagrada inclusive, criando textos literários e os disponibilizando via internet. Sem contar os sites que tratam de literatura, ou que propõem dicas para quem quer escrever, claro! (Só indiquei aqui a pontinha do iceberg… Quer mais?!? É só procurar!)

Resumindo, o Tecendo o verbo foi minha ideia para botar para fora meu projeto de escritora. No entanto, acho que vale a pena aproveitá-lo para algo mais. Por isso, nas Novidades, trouxe a entrevista com a Marcia, autora da “série Krios”; divulguei o vídeo “Min e as mãozinhas” e o site “habiaunaveztruz”; comentei a crônica do Bessa. Agora, quero propor algo diferente!

O mundo das palavras (e do desenho) é muito rico e instigante. Eu fui encantada por ele desde bem pequena, assim que aprendi a ler e a escrever (talvez até antes!). Creio que o ofício de escritor, como qualquer outro, requer muito trabalho e estudo, mas também doses de inspiração e vocação. E penso que a trajetória começa (ou deve começar) desde cedo.

Estimular crianças a ler e a escrever pode não gerar um exército de escritores e escritoras. Será responsável, contudo, por um sem-número de leitores ávidos. Por isso, pensei em propor, incialmente aos meus sobrinhos e primos em terceiro grau, o desafio de criarem histórias para eu postar aqui no Tecendo o verbo. Se a ideia colar… posso estendê-la a outras crianças. E, quem sabe?, um dia, no futuro, saberemos que alguma autora ou autor famoso publicou de brincadeira um primeiro texto num certo blog da internet… Seria bem legal!!!!

Aguardem e acompanhem em breve, então, no Garotada TEC aqui do Tecendo o verbo, essas histórias criadas por pimpolhos muito criativos, como os leitores dessa seção do blog, ok?! Bem-vindos e bem-vindas ao Projeto “Crianças na quarentena”!

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *