Tempo de romaria e prece

Por: Cristina Vergnano

12 de outubro… Como todos os anos, feriado nacional no Brasil. Muita gente se prepara para viajar, abandonando as grandes cidades em busca dos locais de veraneio. Muitos, também, se esquecem do motivo da data comemorativa, associando-a, apenas, ao dia da criança, tão alardeado pela mídia comercial, no intento de aumentar a venda dos brinquedos.

Mas, 12 de outubro traz em si um significado profundo, que toca e deixa patente a religiosidade de um povo. De vários pontos do país, devotos partem em romaria ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, no interior do estado de São Paulo. Vão honrar e venerar a Virgem Mãe Santíssima de Jesus, nossa mãe do Céu, padroeira do Brasil. E é um espetáculo especial ver como vários voluntários se dispõem a estar pelo caminho, oferecendo apoio aos romeiros, independente, inclusive, da religião que professam. Um testemunho de fé, de respeito e de solidariedade, onde todos se irmanam em torno do amor.

Segundo as estatísticas do último censo (2010) em nosso país, o número de católicos vem diminuindo progressivamente, ao mesmo tempo em que crescem as crenças professadas em outras religiões. Na verdade, isso não deveria ser um problema, pois há lugar para a diversidade, que, sendo saudável e respeitosa, só pode fazer crescer os que interagem entre si compartilhando distintas visões de mundo. Afinal, nosso país acolhe gente de todas as partes do planeta, de variadas etnias e crenças. Ainda assim, o título de Padroeira do Brasil, dado à Nossa Senhora Aparecida, que interessará e dirá respeito diretamente aos católicos, não invalida nem o desejo de que sejamos todos abençoados, nem diminui o valor da virgem silenciosa que sabia ouvir, que acolhia as maravilhas da salvação e “conservava todas essas palavras, meditando-as no seu coração” (Lc 2, 19).

 As devoções aos santos costumam provocar perplexidade e até repulsa entre os não católicos. Muitas vezes, os católicos são considerados politeístas e idólatras. No primeiro caso, porque, erroneamente, se pensa que os santos são tidos como deuses e são adorados. De fato, só cremos em um único Deus, aliás, o mesmo em que acreditam os judeus, os islâmicos e os demais cristãos. A diferença (com relação a judeus e islâmicos, pelo menos) é que cremos no Deus uno e ao mesmo tempo trino. Ou seja, que sendo Um, se manifesta em três pessoas: o Pai Criador, o Filho Salvador, o Espírito Santificador. No caso da idolatria, esta se atribuiria à presença das imagens tão comuns nas igrejas católicas romanas.

Bem… os santos não são adorados, são venerados com carinho e respeito, porque mostram, por seu exemplo, como é possível para homens e mulheres falhos e imperfeitos seguir o caminho que leva à santidade, apoiados na fé. Suas imagens são como os retratos que conservamos de pessoas queridas, de quem queremos nos lembrar com carinho, a quem recorremos para conselhos e como modelos. Não são superiores a Deus, nem atuam por sua própria força e poder!

O caso de Maria, contudo, é especial. Porque, sendo criatura (não deusa!), foi escolhida para receber, gerar, dar à luz e educar o filho de Deus encarnado. Foi sua mãe e sua primeira discípula. Modelo de fé, de entrega, de dedicação, de silenciosa religiosidade e amor. Maria, foi escolhida e soube dizer sim, aceitando participar do plano da salvação. Por tão grande compromisso, recebeu a graça de uma imaculada concepção, ou seja, da liberação do pecado. Afinal, receberia em si o próprio Deus.

Ela apresenta várias denominações ou títulos, ligados aos papéis que vivenciou e estão descritos na Bíblia (como Nossa Senhora do desterro, Nossa Senhora das Dores, Nossa Senhora da Piedade), às suas aparições (como Nossa Senhora de Fátima, de Lourdes, ou Aparecida), à devoção popular (como Nossa Senhora Desatadora de Nós), ou aos dogmas marianos (como Virgem Maria, ou  Imaculada Conceição). Mas se trata sempre da mesma Maria, simplesmente Mãe, aquela que o próprio Jesus nos ofereceu como mãe do Céu ao deixá-la sob a proteção do discípulo amado (Jo 19, 27).

Pois bem!… A devoção à Nossa Senhora Aparecida (das águas) surge a partir da retirada do Rio Paraíba de uma imagem de Nossa Senhora da Conceição por três pescadores, em 1717. Eles deviam pescar peixes para um banquete que seria oferecido a um nobre, mas não estavam tendo sucesso. Ao recolher ao barco a imagem, partida em dois pedaços (a cabeça estava separada do corpo), houve uma pesca abundante. A mulher de um dos pescadores, recebeu a imagem, consertou-a, fez-lhe um pequeno altar. Aí, nasceu a devoção do povo, que se reunia para rezar o terço e cantar a ladainha semanalmente. E de lá para cá, muitos milagres e o atendimento a pedidos dos fiéis são atribuídos à intercessão de Maria, aparecida das águas.

Maria não é Deus, está claro. Mas é sua mãe e nossa. Modelo de fé e entrega, singeleza e amor, abraça-nos com ternura maternal e nos ensina os valores do silêncio, da oração, da reflexão, do seguimento à proposta de Jesus.

Como amar o Filho, sem amar a sua mãe? O sentimento puro de carinho e devoção do povo que peregrina em romaria ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida, em preces, não é sinal de idolatria, nem de politeísmo, nem de ignorância, ou de desesperado desejo de alcançar graças apenas. Parece mais a entrega confiante de filhos aos braços amorosos de uma mãe, que sabem ser santa e doce intercessora.

Por isso, em tempo de romaria e prece, juntemo-nos a tantos romeiros e nos deixemos abraçar por esse carinho de Mãe. Nossa Senhora da Conceição Aparecida, rogai por nós e abençoai o Brasil!

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *