Quando a nossa criatividade rompe barreiras e vence crises

Por: Cristina Vergnano

Para minha mãe, minhas tias e meu tio… e todos os bravos idosos que sonham seus sonhos durante esta pandemia.

Há alguns anos, ela vivia sozinha em sua casa, num bairro da zona norte da cidade. Isso foi logo depois da morte de seu marido. Os filhos já haviam saído para cuidar de suas próprias vidas fazia bastante tempo. Então, antes, eram apenas os dois naquela casa de 4 quartos, não muito grande, mas bem confortável.

Ao ficar viúva, os filhos insistiram muito para que vendesse a casa e fosse morar com um deles. Ela, contudo, se negou categoricamente. Aquele era o seu lugar! O lar que havia ajudado a construir com seu trabalho, onde havia criado os três filhos, tinha suas coisas e suas lembranças. Além do mais, conhecia toda a vizinhança e eles a ela. Não apenas os vizinhos em si, mas os comerciantes antigos de pequenas lojas e outros estabelecimentos de serviços, o pessoal da igreja… Portanto, não estava de fato sozinha. Se se mudasse, aí, talvez, mesmo na companhia dos filhos, achava que se sentiria perdida e só.

A casa tinha dois andares. Originalmente, possuía apenas um. Neste, o térreo, ficavam a ampla sala, a cozinha funcional e bem organizada, um bom banheiro, o quarto em que o casal (mais recentemente; e, agora, ela mesma) havia decidido dormir, pois lhes poupava o esforço de ficar subindo e descendo escadas, uma varanda e uma garagem na frente, uma pequena área de serviço e quintalzinho atrás. No início, tinha dois quartos em baixo. Quando decidiram, porém, ter o segundo filho, optaram por subir um andar na casa e usar um dos quartos do térreo para ampliar o seu próprio e a sala, além de criar o espaço para a escada que iria para o andar superior. No segundo andar, então, construíram três quartos: um para cada criança e o deles (uma suíte), além de outro banheiro. Quando nasceu a sua terceira filha, puseram-na junto com a irmã no quarto mais amplo. Assim, toda a família, por vários anos, ficou compartilhando a intimidade no segundo andar. Deixaram o quarto do térreo para alguma eventual visita, ou como saleta de trabalho e estudo, utilizada por todos. A sala, o quintal e a varanda viram muita correria, brincadeiras e reuniões familiares… Bons tempos!

Seu filho mais velho era já um homem que, hoje, morava em outro estado com sua família. Tinha tido dois filhos, um casal, seus queridos netinhos. Ela não os via muito a miúdo, mas falava sempre com eles por telefone. A filha do meio era solteira e, embora vivesse na mesma cidade, viajava com frequência a trabalho. Sua caçula estava também casada, mas não tinha filhos. Vivia perto e esta era a que via mais vezes, quase todas as semanas.

Com a idade, sentiu cada vez mais necessidade de alguém que a ajudasse nas tarefas domésticas. Tinha, assim, contratado uma moça, indicada por uma boa amiga, e que vinha semanalmente para as limpezas mais pesadas. Eventualmente, lavava e passava alguma roupa, ou preparava algo rápido na cozinha. Mas isso, só em ocasiões muito pontuais. A vida dessa senhora era simples, prática e muito bem organizada. Não requeria, portanto, grande trabalho. As idas de Helena (a tal ajudante), contudo, eram mais do que só auxílio com os afazeres. Também eram momentos de troca de ideias, de lembranças e experiências. A moça, nem tão jovenzinha assim, era uma pessoa ótima! E a interação das duas funcionava com perfeição.

Aconteceu, porém, que a senhora adoeceu. Ficou bastante debilitada e, por uns meses já não tinha condições de ficar só o tempo todo. Não chegava a ser nada que lhe causasse risco de vida, no entanto, impedia-lhe de fazer várias tarefas em casa, ir à rua para as compras e coisas desse tipo. Cansava-se fácil. Novamente teve que ser muito firme para recusar a ideia recorrente de seus filhos de que se mudasse. O acordo, então, foi que Helena passasse a ir todos os dias da semana, o que lhe caiu muito bem, pois estava sem outros empregos e os tempos eram difíceis. Nos fins de semana, visitaria os filhos, ou estes a ela e, em caso de necessidade, uma parenta se comprometeu a fazer-lhe companhia. Além disso, o telefone passou a ficar ligado sempre e na sua cabeceira. As filhas, que viviam relativamente perto, passavam diariamente por lá, para ver se tudo estava ok. E a vida seguia seu curso…

Aqui faço um parêntese… É preciso esclarecer que a senhora, seu nome era Denise, nunca havia gostado muito de tecnologia. Tinha séria resistência a aparelhos complicados, cheios de botões, comandos, chaves, luzinhas e fios. Imaginem os computadores e smartphones, então!!! Definitivamente, não gostava deles, nem pretendia aprender a usá-los. Com a televisão, o rádio, o telefone fixo, a geladeira, o fogão, o ferro de passar e a máquina de lavar, lhe bastava.

Como disse antes, a vida seguia seu curso, tranquilamente. A companhia de Helena era agradável para Dona Denise e permitia que suas coisas continuassem como sempre, organizadinhas, sem que ela precisasse esgotar-se. Também a saúde ia melhorando e, logo, logo, pensava ela, tudo voltaria a ser como antes.

Aconteceu, no entanto, uma séria epidemia. Parecia algo como aquelas dos filmes futurísticos e catastróficos. De repente, tudo virou de pernas para o ar. Havia tensão nos olhares e nas vozes. O medo se espalhava como fogo em prado seco. Os três filhos de Dona Denise ficaram muito preocupados. A mãe teria, como todo mundo, que guardar quarentena. E os idosos eram os mais suscetíveis!!!! O que fazer?!?

Havia alguns aspectos muito concretos que acentuavam a crise. O filho morava fora do estado e estava impedido de sair de lá. As viagens tinham sido restringidas a casos bem particulares e com autorização oficial. As filhas que viviam na mesma cidade estavam mais próximas, sem dúvida. Os médicos da família, porém, aconselharam-nas a manter-se afastadas. Ambas estavam trabalhando por meio de home office, mas o genro de Dona Denise, marido de sua caçula, estava num setor considerado prioritário e tinha que se manter no trabalho. Isso significava risco de contágio para sua mulher e, por tabela, para sua sogra, caso se confirmasse a doença em um deles. Ficou a cargo da filha do meio, portanto, fazer os contatos, a união entre todos e de atender as necessidades da sua mãe: compras de víveres, produtos de limpeza e higiene pessoal e remédios. Quanto à Helena, propuseram-lhe, como fazia uns meses estava morando sozinha, que, para diminuir o risco de contaminação tanto dela quanto de Dona Denise, ao menos durante a crise, fosse morar com a senhora. Não significa que ficaria trabalhando 24 horas por dia, toda a semana. Apenas queriam evitar que ela tivesse que pegar conduções cheias e estar indo e vindo.

Helena aceitou a proposta, porque também estava com muito medo. Combinou que iria uma vez por semana à sua própria casa, para ver como as coisas estavam, pegar coisas de que necessitasse, saber notícias, sempre tomando todos os cuidados contra contaminações… Acomodou-se em um dos quartos do segundo andar, o que era suíte, mas às vezes preferia ficar na sala, vendo televisão até bem tarde, e ter certeza de que dona Denise estava bem antes de subir.

Pela primeira vez na sua vida, Dona Denise começou a ter contato mais íntimo com a tecnologia informática. Helena sabia mexer muito bem com smartphones e tinha algum conhecimento sobre como funcionava o básico dos computadores. A filha solteira de Dona Denise esteve lá logo no início da epidemia e ativou o antigo computador e a internet wifi na casa. A partir daí, os tempos de quarentena se transformaram num constante bate-papo com netos, filho, filhas, genro e nora. Embora Dona Denise achasse aquilo tudo profundamente estranho e desconcertante, ficava feliz só em poder ver as carinhas de todos, rir com eles, conversar, mesmo sem poder tocar-lhes, abraçar e beijar. Era, de certa forma, um mundo novo que se lhe abria, com a ajuda carinhosa da Helena.

Mas ainda ficava na boca e na mente um gostinho meio amargo, um quezinho de solidão acompanhada, por essa distância forçada. E Dona Denise não dizia nada, mas sabia que seu aniversário estava chegando e ela perderia a deliciosa oportunidade de ter todos sob seu teto uma vez mais, como ocorria religiosamente, todos os anos.

Sem que ela soubesse ou desconfiasse, algo era tramado. A mente humana é maravilhosa, de fato! E nossa criatividade pode alcançar coisas impensadas com um pouco de iniciativa e boa vontade. Discretamente, Helena começou a preparar uns pratos e quitutes que sabia serem os preferidos de Dona Helena, para um almoço especial. Combinou detalhes com as filhas e o filho. A solteira comprou uma torta e deixou-a na varanda com Helena na manhã do aniversário.

À tarde, após o almoço, o computador, que estava na mesa da sala, deu sinal de vida. Era uma ligação pelo Skype. Dona Denise tinha acabado de saborear com Helena seu delicioso almoço de aniversário. …Não sem uma pontinha de nostalgia, que tentava disfarçar para não magoar a acompanhante que tinha se esforçado tanto. Sentia falta da casa cheia mais uma vez. Teve um sobressalto com a musiquinha de chamada do aplicativo. Olhou indecisa e curiosa para a máquina.

– O que é isso? Está viva? Decidiu ligar-se sozinha? – espantou-se e perguntou mais para si do que para Helena.

A acompanhante deu um sorriso de Monalisa, levantou-se da sua cadeira e foi até a máquina. Deu o sinal de ok e fez os ajustes que a filha solteira de Dona Denise lhe havia ensinado.

– Surpresa!!!!! – várias carinhas sorridentes apareceram de uma só vez na tela do computador, soltando papéis picados coloridos para o alto e batendo palmas.

Ao mesmo tempo, Helena já tinha ido à cozinha e vinha com a torta e uma velinha acesa. Todos, então, cantaram parabéns e Dona Denise, entre emocionada e radiante, sorrindo um sorriso lindo, quase infantil, soprou a velinha.

– Que surpresa maravilhosa! É como se eu tivesse todos e cada um de vocês aqui juntinho de mim! E eu já estava até desanimada!!!

– A gente jamais deixaria você sozinha num dia tão importante, mãe! – falaram os três juntos, como se tivessem ensaiado.

– Nunca poderia imaginar! E eu que sempre tive uma antipatia por esses troços aí!!!

– Pois é… Mas você tem que admitir… quando a gente quer, nem a maior das crises nos impede de encontrar caminhos de estarmos unidos.

A festa se prolongou com cantos, risos e conversas por umas horas. O bolo foi comido virtualmente. Os presentes foram abertos virtualmente. Tudo para ser presencial num futuro, que, esperavam, seria próximo.

Naquela noite, quando deitou sua cabeça no travesseiro para dormir uma noite feliz e tranquila, Dona Denise, após suas orações, pensou… “De fato… foi o melhor aniversário de todos, porque a criatividade rompeu todas as barreiras e mostrou a força do amor para vencer qualquer crise.” A luz do abajur foi apagada, mas não o sorriso daqueles lábios, que durou em sonhos a noite inteira.

Compartilhe!

2 comentários em “Quando a nossa criatividade rompe barreiras e vence crises

  • 29/04/2020 em 20:51
    Permalink

    Tenho lido e até escrito muita coisa “carregada” sobre o momento da pandemia, as relações humanas, as crises econômicas e de todo o tipo e as consequências de tudo o que estamos vivendo… De repente, tive a ideia de mostrar que, mesmo em meio à tempestade, é possível vislumbrar um raio de sol. E foi uma comemoração real que me deu a inspiração. No mais, compus o texto com base em várias pessoas conhecidas (eu mesma estou um pouco aí). Fico muito feliz que tenha gostado, Jak!

Deixe uma resposta