Triângulo gastronômico

Por: Cristina Vergnano

Eram um casal perfeito. Ambos esguios, brilhantes, eficientes. Completavam-se com maestria: os dentes ávidos dele com a conduta cortante dela.

Um dia, porém, serviram macarrão com molho. Apenas ele foi para a mesa e, ali, a conheceu: curvilínea, côncava, receptiva. Tocaram-se, ajustando o espaguete, durante toda a refeição. Ao final, ao vê-la recolher gulosa o molho restante no prato, ficou extasiado.

Raramente conseguia estar ao lado da nova e inusitada parceira. Conservava-a, porém, em seus sonhos e desejava de novo sentir-se conduzido por ela na dança do espaguete.

A vida com sua companheira habitual se manteve, claro. Nada, porém, seria o mesmo, pois, naquele almoço domingueiro, instaurou-se uma possibilidade que jamais poderia ser esquecida.

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *